PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Dicas de Vestibular

Como funcionam as eleições presidenciais dos EUA?

Dicas de Vestibular

03/11/2020 14h18

Por Daniel Perry, diretor do Anglo Vestibulares

Há quatro anos o mundo assistia perplexo à vitória de Donald Trump na eleição presidencial de 2016. O espanto ocorria não somente porque ele sempre foi tido como um outsider e candidato azarão, mas também porque Hillary Clinton, sua oponente, obteve mais votos que Trump. Mais precisamente, ela foi escolhida por 2.868.686 eleitores a mais do que ele. Portanto, no que se refere ao voto popular, Clinton ganhou. Ganhou, mas não levou. Por que isso ocorreu? Às vésperas de mais uma eleição que pode definir os rumos dos EUA e do mundo por várias décadas, é importante entender como funciona o sistema eleitoral norte-americano.

Os norte-americanos escolhem seu presidente a cada quatro anos, como no Brasil. No dia da eleição, os eleitores vão às urnas e votam no candidato de sua escolha, de modo secreto. Entretanto, diferentemente do Brasil, podem votar antecipadamente, indo a alguns locais de votação que abrem adiantadamente, cerca de um mês antes do pleito. Também podem votar pelo correio, depositando a cédula em caixas postais específicas. Essas duas últimas modalidades estão recebendo grande adesão em 2020, por conta da pandemia, já que minimizam aglomerações.

Outra diferença importante em relação ao sistema brasileiro é que nos EUA o voto é facultativo. Portanto, o cidadão não é obrigado a votar. É por esse motivo que, em toda a campanha, os candidatos estimulam as pessoas a ir votar. Para vencer, não basta ter a simpatia declarada do eleitorado, é preciso que ele saia de casa e vote.

Porém, o que mais causa confusão na interpretação das eleições presidenciais norte-americanas é o fato de ela ser indireta. Cada estado possui, de acordo com sua população, um número de delegados. Esses delegados são representantes que, ao fim da contagem de votos, são enviados ao Congresso onde, em uma sessão especial, votam no candidato que venceu em seu estado. Dessa forma, se um candidato vencer seu oponente por um mísero voto no estado da Califórnia, por exemplo, terá direito aos votos de todos os 55 delegados californianos. No total, são 538 delegados e é declarado eleito o candidato que alcançar 270 votos no colégio eleitoral, que é o nome dado a esse fórum composto por todos os delegados. Abaixo, um mapa com o número de delegados por estado:

 

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%A3o_presidencial_nos_Estados_Unidos_em_2020#/media/Ficheiro:ElectoralCollege2020.svg

 

Em toda a história norte-americana, houve 58 eleições presidenciais. Com a de 2020, serão 59. E, nesses mais de 200 anos de história, em 5 ocasiões o presidente eleito obteve menos votos populares do que seu oponente. Mais recentemente, isso ocorreu em 2000 e em 2016. Mas por que isso aconteceu? Em quase todos os estados, o vencedor local nos votos populares ganha todos os delegados, não importando a diferença percentual entre os competidores. Os norte-americanos chamam isso de winner takes all (o vencedor leva tudo). Dessa forma, dependendo dos estados em que o candidato vencer, ele pode somar 270 delegados ou mais, mesmo que, no cômputo nacional dos votos, ele tenha recebido menos que seu adversário. Foi o que aconteceu em 2016. Hillary Clinton obteve quase 66 milhões de votos em termos nacionais e Donald Trump quase 63 milhões. Só que ela venceu em 20 estados e ele em 30. No final, Clinton conquistou 232 delegados, e Trump, 306. O fato é que a ex-secretária de Estado, ex-senadora por Nova Iorque e ex-primeira-dama teve muitos votos em estados com grande população e quantidade de eleitores, como Califórnia e Nova Iorque. Mas Trump venceu em mais estados e, sobretudo, estados estratégicos com boa quantidade de delegados, como Texas, Flórida, Michigan e Ohio. O mapa a seguir indica os estados e quantidade de delegados conquistados por Trump (em vermelho) e os vencidos por Clinton (em azul). O estado listrado é o Maine, um dos dois únicos onde há uma divisão de delegados proporcional à quantidade de votos obtido pelo candidato. O outro estado a fazer isso é Nebraska onde, em 2016, Trump acabou levando tudo.

Fonte: Adaptado de https://www.britannica.com/topic/United-States-presidential-election-of-2016

 

Alguns estados são solidamente democratas (azuis) ou republicanos (vermelhos), há décadas. Nesses lugares, é quase certo que o resultado sempre será o mesmo. Porém, há alguns poucos estados em que, a cada pleito, o eleitorado muda de lado, apoiando um democrata ou um republicano, a depender da conjuntura. É por esse motivo que, nos EUA, os presidenciáveis focam sua campanha nesses lugares, os chamados swing states (estados decisivos). Em 2020, se encaixam nessa categoria Flórida, Michigan e Ohio, principalmente.

E como o vestibular pode abordar esse tema? Uma possibilidade é aparecerem questões que exijam interpretações de mapas, gráficos e tabelas, utilizando as eleições americanas como mote. Por isso, é importante treinar essas habilidades. Também é possível que o tema seja abordado, através de um texto de apoio, em redações sobre democracia e a importância do voto. Questões muito específicas sobre o assunto nunca apareceram. Dessa forma, o vestibulando deve se preocupar em treinar as habilidades mencionadas e estar bem informado.

Sobre os Autores

O Dicas de Vestibular é produzido e atualizado pelos professores do Anglo Vestibulares e do Sistema Anglo de Ensino.

Sobre o Blog

Neste espaço, o estudante encontra temas da atualidade, conteúdos que mais caem nas provas e dicas para se sair bem nos processos seletivos e no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). O conteúdo também é útil aos interessados em provas de concursos.

Dicas de Vestibular