PUBLICIDADE
Topo

Histórico

O PIB, o seu cálculo e a influência da COVID-19

Dicas de Vestibular

04/06/2020 12h03

* Por Sebastian Alvarado Fuentes, professor de geografia do Anglo Vestibulares

Quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – responsável pelo cálculo e divulgação do PIB nacional – anunciou, no final de maio deste ano, que o índice do primeiro trimestre de 2020 recuou 1,5% em relação aos últimos 3 meses de 2019, diversos especialistas apontaram a pandemia da COVID-19 como maior motivador desse resultado, alertando grande parte da população que, em maioria, desconhece o real significado desse importante indicador econômico e os fatores que podem influenciá-lo.

O Produto Interno Bruto ou PIB, como é comumente anunciado, é um termo muito presente no dia a dia de todos os brasileiros –no trabalho, na mídia, conversas informais e até no vestibular – e é definido, pelo IBGE, como "a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade, em um determinado período". Essa soma só incorpora os bens e serviços finais para evitar a dupla contagem, ou seja, a matéria-prima ou produtos intermediários não são computados, pois os seus respectivos valores já estão incorporados ao valor do produto final que os utilizou.

É importante ressaltar que o PIB, muito utilizado para analisar e comparar o crescimento das economias, não representa o total da riqueza existente em um país, mas sim o quanto aquela região tem produzido em um determinado espaço tempo, ou seja, o fluxo de novos bens e serviços finais produzidos.

Como é calculado

Para o cálculo do PIB, o IBGE utiliza diversos dados – alguns desenvolvidos pelo próprio instituto, e outros, por fontes externas – e pode ser apresentado por diversas óticas, em que duas as mais comuns são:

– na ótica da oferta, o PIB calcula todos os bens e serviços finais gerados pelos grandes setores da economia: indústria, agropecuária e serviços e ainda adiciona os impostos sobre essa produção;

– na ótica da demanda, a mais usada, o PIB soma o Consumo Privado ou Familiar (CF), o Gasto Governamental (GG), o Investimento Privado (IP) e o saldo da Balança Comercial (BC), que representa os valores de exportações menos os de importações. Em resumo:

PIB = CF + GG + IP + BC

O cálculo, independente da ótica, sempre deve apresentar o mesmo resultado.

A influência da COVID-19

O PIB pode ser influenciado por diversos fatores, sejam externos, sejam internos ao nosso território, mas, em tempos de pandemia, o isolamento social – atualmente a única medida comprovadamente efetiva para minimizar o número de contaminados e consequentemente de falecidos – acaba sendo um grande responsável pela mudança na dinâmica da economia global.

A China e outros países importadores de matéria-prima brasileira tiveram as suas produções industriais suspensas ou reduzidas, afetando as nossas exportações, principalmente do setor extrativista mineral, provocando uma redução da produção interna, além de um menor investimento por parte das entidades privadas que não enxergam possibilidade de grandes lucros no setor.

No âmbito interno, o isolamento social e a eminente crise econômica, com aumento do desemprego e a redução de salários, levou a população a reduzir drasticamente o seu consumo, tanto de serviços quanto de bens. Um dos setores mais afetados foi o da construção civil.

As críticas ao uso indiscriminado do PIB

Atualmente o PIB é utilizado como o grande indicador da salubridade econômica de determinado país e influencia diretamente nos níveis de investimento que aquela região recebe, mas o seu uso indiscriminado é criticado pelos economistas, incluindo um dos seus formuladores, Simon Kuznets.

Os especialistas advertem que o PIB é um dado quantitativo, e não qualitativo, e, por isso, não demonstra noções sobre o bem-estar e/ou desigualdade social. Torna-se, assim, improdutiva a comparação entre o PIB de países como Islândia (US$ 24,7 bilhões) e a Índia (US$ 2,8 trilhões), já que é notória a melhor qualidade de vida do país europeu em relação ao do sul da Ásia.

Sobre os Autores

O Dicas de Vestibular é produzido e atualizado pelos professores do Anglo Vestibulares e do Sistema Anglo de Ensino.

Sobre o Blog

Neste espaço, o estudante encontra temas da atualidade, conteúdos que mais caem nas provas e dicas para se sair bem nos processos seletivos e no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). O conteúdo também é útil aos interessados em provas de concursos.

Dicas de Vestibular