PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Entenda as consequências ambientais provocadas pelas queimadas

Dicas de Vestibular

27/03/2020 14h12

*Por Sebastian Alvarado Fuentes, professor de geografia do Anglo Vestibulares

As queimadas no ano de 2019 tiveram um grande destaque na mídia, em fóruns econômicos e até nos maiores vestibulares do país. Embora a vegetação de diversos países tenha sofrido com as queimadas nesse ano, dois países, mesmo que de forma diferenciada, se destacaram pela magnitude da destruição: o Brasil e a Austrália.

Os dois países tiveram que lidar com a repercussão mundial desses incêndios, mas é importante lembrar que a comparação entre esses acontecimentos é mais complexa do que se imagina: desde a origem, o tipo de vegetação atingida, a forma de combate e a responsabilização.

As queimadas no Brasil, especificamente na floresta Amazônica, atingiram uma vegetação chamada de floresta latifoliada equatorial, nome que evidencia a importante característica de reter uma grande umidade e de se localizar em uma região com grandes índices pluviais.

Com essa característica, as queimadas naturais são, no mínimo, improváveis, o que leva os especialistas a apontarem causas antrópicas — principalmente o crescente processo de desmatamento — para o grande número de incêndios.

Enquanto isso, na Austrália, o ecossistema atingido pelo fogo tem a característica de sofrer incêndios naturais periodicamente. Essas queimadas são extremamente necessárias para a renovação e perpetuação do bioma – assim como acontece na savana africana e o cerrado brasileiro.

Embora queimadas naturais sejam normais, a Austrália vive um grande período de estiagem que se iniciou em 2017 e, entre janeiro a outubro de 2019, atingiu o recorde de período mais seco desde 1902. Em outras palavras, o fogo na Austrália teve as mudanças climáticas como um grande potencializador.

Os incêndios na Austrália tiveram grande destaque na mídia devido a chocantes imagens da fauna sendo queimada e da nobre ação de muitos cidadãos que se dispuseram a resgatar animais que estavam em perigo. No maior país da Oceania, devido à disposição das florestas em relação às cidades, também ocorreu um grande risco de perdas de vidas humanas.

Já no Brasil, o destaque ocorreu pela troca de acusações entre o governo, especialistas, ONGs, ativistas ambientais e até governos estrangeiros. Vale ressaltar o caso do governo francês, que protagonizou um grande embate com o governo brasileiro, cuja situação foi discutida na reunião do G7.

Embora os fenômenos no Brasil e na Austrália sejam bem distintos, podemos apontar algumas semelhanças. Exemplos são a enorme cortina de fumaça liberada, a politização das queimadas e a inegável relação com as mudanças climáticas – lembrando que, na Amazônia, as queimadas agravam o aquecimento global, e os incêndios na Austrália são agravados por este.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre os Autores

O Dicas de Vestibular é produzido e atualizado pelos professores do Anglo Vestibulares e do Sistema Anglo de Ensino.

Sobre o Blog

Neste espaço, o estudante encontra temas da atualidade, conteúdos que mais caem nas provas e dicas para se sair bem nos processos seletivos e no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). O conteúdo também é útil aos interessados em provas de concursos.

Dicas de Vestibular